Cadastre-se grátis
Receba novidades do CADguru: [x] Fechar
Prefere as mídias sociais? Acompanhe o CADguru:

A importância do Solid Edge, parte 2: A melhor alternativa para o Solidworks

Postado em: 23/01/2013 Comentários (6)

Na primeira parte deste artigo mencionamos que a tecnologia síncrona do Solid Edge ST5 possui várias vantagens, como menciona o Evan Yares. Agora nesta segunda parte continuaremos com a explicação e conclusão do artigo.

A melhor escolha: Solid Edge ST5

Yares nos diz que o Solid Edge ST5 é um sistema CAD excepcional. Se você esta em busca de um novo sistema CAD, baseado exclusivamente no seu mérito, Solid Edge deve ser considerado na sua lista de ferramentas.

Solid Edge ST5 Peça Sincrona Multicorpo

No entanto, há um caso onde o Solid Edge não é somente uma opção, mas sim, a escolha mais óbvia. Isso acontece quando você considera uma migração saindo do SolidWorks.

Isso não é um julgamento sem valor, até porque minha opinião não é baseada em se eu gosto ou não de uma empresa ou outra. Isso é um distinção técnica.

Por que migrar do SolidWorks para o Solid Edge?

Evan primeiramente proporciona um fundamento para explicar o porque traz isso à tona e porque chega a essa conclusão.

Ele afirma que o SolidWorks é certamente o produto MCAD mais difundido no mercado hoje em termos de número de clientes, usuários, disponibilidade de treinamento, suporte de grupo de usuários e outros fatores. Quando a Dassault Systemes comprou a Solidworks em 1997 eles adquiriram “a galinha dos ovos de ouro”.

Se você conhece a Aesop’s Fable, de onde vem essa linhagem, você deve saber onde isso vai parar. Por 10 anos a Dassault Systemes deixou a Solidworks trabalhar por conta. Ele diz se lembrar bem de uma entrevista em que participou e questionou o CEO da Dassault, Bernard Charlès sobre isso e ele disse que tudo que ele pedia ao John McEleney (então CEO da Solidworks) foi que ele “agregasse valor”.

Agregando valor ao SolidWorks

Charlès é um francês nativo e quando ele mencionava “valor”, quando traduzido deveria significar “entregar receita”. E foi exatamente o que McEleney fez por vários anos.

Em 2007, McEleney saiu da Solidworks e deixou Jeff Ray (antigo COO) em sua posição. Essa alteração sinalizou uma mudança no relacionamento entre a Solidworks e a Dassault Systemes. Apesar de não ser óbvio à primeira vista, começou a ficar claro que era o início do processo de integração da Solidwors dentro da Dassault Systemes.

Hoje, ainda assim, parte da velha guarda continua no time Solidworks, porém houve perdas notáveis. O fundador da Solidworks, Jon Hirschtick saiu da Dassault no ano passado. Austin O’Malley, chefe de pesquisa e desenvolvimento deixou a empresa quase que no mesmo período. Foi substituído pelo Gian Paolo Bassi, que é, pelos sinais, fortemente focado no Solidworks V6. Quem também deixou a empresa foi Jeff Ray.

Certamente essa não é mais a Solidworks que costumava ser. A estratégia  da empresa esta sendo entregue pela Dassault Systemes em Paris.

Se essa mudança é boa ou não, somente o tempo ira dizer. Charlès e outros executivos de topo na Dassault são pessoas de negócios e bastante experientes. Porem eles possuem perspectivas diferente das pessoas que originalmente fundaram a Solidworks.

A chegada do SolidWorks V6

Alguns anos atrás, DS Solidworks deram um preview de um novo software, chamado Solidwoks V6. Evan escreveu um artigo sobre sobre isso em fevereiro no artigo SolidWorks V6 is not SolidWorks.

Soliworks V6 é (ou será) um CAD baseado em nuvem, constituído utilizando a tecnologia da Dassault originalmente desenvolvida para o CATIA e ENOVIA V6. Não será o mesmo Solidworks de hoje. Uma distinção é a utilização do CGM geometric modeling kernel no lugar do Parasolid kernel (que é de propriedade da Siemens PLM).

No evento Solidworks World em fevereiro, gestores da DS Solidworks tentaram assegurar aos seus clientes que irão manter o suporte do Solidworks existente o quanto eles suportarem. Eles esclareceram que irão continuar a utilizar o kernel (motor modelador de geometria) na versão desktop e comentaram que o time de desenvolvimento é ainda maior que nos anos anteriores.

Com essas afirmações, os usuários de Solidworks provavelmente irão sentir-se confortável pela disponibilidade e suporte de sua escolha de sistema CAD. Provavelmente.

Mudar ou não mudar?

Ayres nos diz ainda que, exceto, há algumas coisas que, em conjunto, não parecem certas. Para início de conversa, mesmo que a Siemens disponha o Parasolid em “igualdade de condições” é bem óbvio que a Dassault não gosta de ter que pagar royalties para um concorrente para utilizar.  Bernard Charlès é considerado o “pai do CATIA”. Será impressionante se ele não se sentir altamente motivado a mover os clientes do Solidworks para a plataforma baseada no CATIA.

E o que dizer sobre a equipe de desenvolvimento do Solidworks 2013 ser maior? Números não enganam. Você não pode medir o desenvolvimento de software “homens/mês” (man months). Você deve olhar a composição do time, se é constituída por desenvolvedores de CAD na maioria já “de casa” ou se na maioria são contratados terceiros. As “melhores pessoas” estão trabalhando no time de desenvolvimento do Parasolid ou na versão V6?

Muitas pessoas sensatas que conheço estão lendo nas entre linhas, e acreditam, baseado no que viram ate então, que a Dassault Systemes está focada na migração para o Solidworks V6 e estão deixando de lado a versão desktop. Não estão abandonando totalmente, porém estão deixando sem a atenção merecida. Se isso acontecer, usuários terão que fazer uma dura escolha:

  • Ficar na versão desktop do Solidworks e torcer pelo melhor;
  • Mudar para o Solidworks V6, ou;
  • Migrar para outro sistema CAD.

Quanto custa migrar o sistema CAD?

O custo da migração, tanto para o Solidworks V6 quanto para outro sistema CAD, não estão somente no valor de novas licenças, mas também no treinamento e na migração de dados para essa nova ferramenta.

O custo de uma nova capacitação pode não ser assim tão expressivos, independente da plataforma CAD.

Agora os gastos que podem fugir do controle estão na migração dos dados de um sistema para outro, principalmente aqueles que utilizam sistemas com diferente kernels (motor de modelamento geométrico).

O problema com o kernel de modelamento geométrico é que eles simplesmente não são compatíveis. Nem mesmo CGM and ACIS que são de propriedade da Dassault. E certamente o CGM e Parasolid não será diferente. Eles variam bastante na forma como representam e manipulam os dados e isso não é possível de traduzir de um para o outro completamente (ou ate mesmo em partes) de forma confiável.

Yares menciona que se você quiser saber um pouco mais sobre isso (e sabe inglês) veja  An Academic View of Interoperability e A kernel Guru’s View of Interoperability ambos no seu Blog ( www.evanyares.com ).

Há um número de empresas que oferecem tradutores que podem realizar um bom trabalho para migrar dados de diferente plataformas com diferente kernels. Algumas dessas empresas ainda oferecem ferramentas para validação de modelos para verificar quais arquivos não converteram corretamente. A estimativa de confiança no sucesso dessas conversões estão entre 90 á 95% dos arquivos. Portanto, você terá que reconstruir somente 10 a 5% de seus modelos e arquivos de CAD.

Esses 5 a 10% podem gerar, para uma empresa de médio porte, o custo de reconstruir manualmente esses arquivos CAD variando entre algumas centenas de milhares a milhões de dólares.

Considerando a experiência passada da migração entre diferentes versões dos software CAD da Dassault Systemes: A transição entre o CATIA V4 para CATIA V5 foi excepcionalmente dolorosa para os usuários. Essas empresas especializadas em validação de dados CAD continuam fazendo boa parte de suas receitas solucionando problemas nos arquivos CAD que foram traduzidos do V4 para o V5. E ainda a Dassault nunca ofereceu nenhuma boa compatibilidade ou tradutor nativo para Solidworks/CATIA. Não fundamento para acreditar que a migração entre o Solidworks desktop (Parasolid) para o Solidworks V6 (que usa o kernel CGM) não trará prejuízo.

Será interessante, para os usuários, se essa preocupação for esclarecida pela Solidworks. No melhor dos mundos, Dassault ira continuar a evolução e manutenção da versão desktop do Solidworks. Eles precisam retornar e fixar os bugs irritantes que persistem já por bastante tempo e ainda adicionar capacidades e funcionalidades de modelamento direto livre de histórico.  Eles tem que dar a certeza de que teremos o software como é por um longo período. Eles precisam servir os quase 1.8 milhões de desenvolvedores de produtos e engenheiros que contam com o Solidworks e esperam que funcione corretamente para que então eles possam trabalhar.

Agora, se isso não é o que está acontecendo, a melhor opção para os usuários deve ser considerar outros sistemas de CAD.

A escolha certa: o Solid Edge

A lista de alternativas não é muito longa. A alternativa ideal é uma que suporte modelamento direto livre de histórico com ferramentas para reparametrização de sólidos burros. Deve utilizar o kernel modelador de geometria Parasolid, para minimizar os problemas de conversão. Melhor se tiver um preço na mesma faixa do Solidworks e que de preferência venha de uma empresa que seja sólida financeiramente e bem sucedida.
Há somente um programa de CAD conhecido que supre todos esses critérios:
Solid Edge.

Peça Dividida - Splash - Solid Edge ST5

Você quer aprender a utilizar essa poderosa ferramenta para desenvolver seus projetos? Faça o Curso de Solid Edge ST5 Básico aqui no CADguru.

Esperamos que tenham gostado, aguardem novos artigos com matérias e assuntos cada vez mais interessantes!

Leia também

  1. Erick em 12/09/2013:

    Talvez na questão de migração de dados para outros softwares CAD, o SolidEdge seja melhor. Porém os recursos apresentados pelo SolidWorks englobam o projeto de maneira mais abrangente. Os pontos a favor do SolidWorks são notáveis, desde a modelagem de peças, padronização de componentes de fixação e estruturais, a interatividade com a biblioteca de projetos, fora a parte de simulação mecânica, de fluidos e de injeção de plastico em moldes, sem contar a interação com o Microsoft Word e Excel podendo editar o modelo por meios de tabelas por exemplo.

    Responder
    • gustavo em 15/05/2014:

      Impossível você comparar a tecnologia Synchronous com a paramétrica. Se vc acha a paramétrica melhor, é porque simplesmente nao conhece a synchronous.

      Responder
  2. Elias Heradio de Assis em 29/01/2013:

    Costaria muito de fazer este curso de SOLID EDGE ST5 , como eu faço este curso ?

    Responder
    • CADguru em 31/01/2013:

      Olá Elias,

      Para adquirir o curso acesse: Cursos Guru.

      Atenciosamente.

      Responder
  3. Sergio em 28/01/2013:

    Voces tem treinamento intermediario do Solid edge ST5?

    Responder
    • CADguru em 29/01/2013:

      Olá Sergio,

      Atualmente não dispomos deste curso, por gentileza sugira este e outros cursos através de nossa pesquisa: Sugira novos cursos . Os novos cursos serão criados com base nas solicitações dos usuários.

      Atenciosamente.

      Responder

Comentários (6):