Cadastre-se grátis
Receba novidades do CADguru: [x] Fechar
Prefere as mídias sociais? Acompanhe o CADguru:

O Urbanismo como auxílio para os problemas das Cidades

Postado em: 08/11/2012 Comentários (5)

“Cidades cheias de vida têm essa maravilhosa habilidade, inata, de compreender, de comunicar, de concatenar e inventar o que será necessário para combater suas dificuldades” (Jane Jacobs).

É com essa frase de Jane Jacobs, uma Urbanista nata, que começamos a entender o conceito de planejamento das cidades. Autodidata, Jane jamais formou-se em Arquitetura e Urbanismo, embora o livro Morte e Vida das Grandes Cidades seja até hoje uma das literaturas que norteiam grande parte das turmas de Planejamento Urbano. Foi como Jornalista que ela conseguiu investigar e discorrer elegantemente sobre questões urbanas nos anos 60 que ainda hoje são pertinentes.

Em seu livro ela defende ideias de adensamento urbano em áreas centrais e bairros com usos diversificados (e não estritamente residenciais), para criar vida nas calçadas. Seu livro cita que “o principal atributo de um distrito urbano próspero é que as pessoas se sintam seguras e protegidas na rua em meio a tantos desconhecidos”. E não é verdade?

Se existe um lugar mais do que nunca inseguro nas grandes cidades é a rua, a calçada, a praça em locais pouco iluminados e vazios. O planejamento urbano defendido por Jacobs traça diretrizes que organizam espaços onde a cidade ganha vida. Uma calçada e uma rua interessantes formam uma cidade interessante. Para isso os edifícios devem fazer parte do contexto urbano, sendo permeáveis, onde o público e privado se mesclam e onde os espaços públicos criam situações de encontro. Pessoas circulando e interagindo criam espaços mais seguros.

Cidade Urbanizada
Cidade Urbanizada

As diretrizes defendidas por ela há cerca de cinco décadas continuam contemporâneas, porém agora as cidades lutam para solucionar problemas urbanos já alertados na época. A verticalização, a expansão para o subúrbio, o crescimento desordenado, a criação de superquadras defendidas por urbanistas da era do modernismo criaram cidades onde a especulação imobiliária impera. Prova disso é a nossa querida capital. Brasília está longe da ideia do crescimento planejado por Niemeyer.

E não é só Brasília. A maioria dos grandes centros urbanos tem os mesmos problemas, sejam elas planejadas ou não: bairros residenciais cada vez mais afastados do centro sejam eles de luxo ou criados para abrigar loteamentos de classe média baixa que geram uma demanda mal suprida por transporte público, equipamentos de lazer, espaços de convivência, postos de saúde, escolas, comércio, serviços.

Assim a cidade cresce, expande, extrapola os limites, invade as áreas verdes que restam, sobe o morro, canaliza o rio. E quando os Urbanistas voltam seus olhos para a cidade e renovam seus Planos Diretores buscando soluções sustentáveis, freando o crescimento desordenado, limitando usos e ocupações do solo, ainda há quem reclame do impedimento de se construir prédios mais altos, de se ocupar mais o lote, de se construir mais metros quadrados que gerem mais lucro.

Esquecemos que se a cidade não respira, se seu solo não é permeável e se as pessoas não circulam, ela fica cada vez mais inabitável. O progresso das cidades está cada vez mais ligado à qualidade de vida que ela proporciona e menos à quantidade de gente que ela abriga.

Para auxiliar os Urbanistas na difícil tarefa de reordenar o caos urbano, existem alguns artifícios, como o mapeamento de regiões, o estudo do adensamento e a simulação das piores situações definidas pelo Plano Diretor. Geralmente essas estudos são feitos por equipes de Projeto e Planejamento Urbanos. Desde a formação nas faculdades de Arquitetura e Urbanismo vemos esses conceitos, mas sua visualização muitas vezes não é tão simples.

O CADguru traz um novo curso que vem auxiliar as simulações e análise de dados desse tipo de planejamento, utilizando ferramentas 3D. O curso SketchUp 8.0 Urbanismo com Modelur ensina como inserir dados referentes à legislação local e organizar o planejamento urbano de uma região, criando situações de adensamento máximo e mínimo, extraindo dados referentes ao lote e às edificações e criando estudos de viabilidade. Isso proporciona de uma forma prática e simples uma análise inicial de estudo de Urbanismo, tanto para estudantes como para profissionais que organizam o Urbanismo das cidades.

Dessa forma o CADguru contribui para que os Urbanistas possam (re)pensar as cidades visualizando seus pontos fortes e fracos, organizando lugares mais sustentáveis, onde nós e as futuras gerações possamos morar com mais qualidade de vida.

Sobre o autor:

Equipe CADguru A Equipe CADguru cuida do conteúdo e divulgação do site, novas iniciativas, administração de servidores, controle de qualidade dos cursos, atendimento os usuários e em geral tudo o que precisa para fazer o CADguru fornecer conhecimento gratuito de alta qualidade.
Leia mais

Leia também

  1. Leonard Marlon Rodrigues Valença em 04/04/2013:

    Prezada Ana Carolina
    Gostei do seu artigo. Sou engenheiro civil e arquiteto e, no momento, estou escrevendo um artigo para conclusão deum curso de pós-graduação em AU e gostaria de saber se poderei usar parte do seu artigo nas minhas ponderações sobre cidades e seu crescimento desordenado.
    Como devo citá-la?
    Como arquiteta e professora?
    Um abraço.

    Responder
    • Ana Carolina em 04/04/2013:

      Olá Leonard!

      Muito obrigada. Fico feliz que o artigo tenha sido útil e que as considerações sobre Planejamento Urbano estejam indo adiante.
      Você pode me citar como Arquiteta e Urbanista e como professora também, seguindo a metodologia científica exigida para a citação de autores nos artigos da sua instituição de ensino.
      Grande abraço. Em breve espero ter novas considerações acerca do Urbanismo aqui no blog. Acompanhe!

      Responder
  2. Ranilson Borja em 03/12/2012:

    Sou arquiteto e professor universitário.
    Gostaria de corrigir um equívoco da autora. Niemeyer projetou apenas os palácios. Quem realmente projetou Brasília foi o grande arquiteto Lúcio Costa.
    Até

    Responder
    • Ana Carolina em 04/04/2013:

      Olá Ranilson…sua observação é importante.
      Sim, Lucio Costa traçou o plano piloto de Brasília. Mas sabia que ele só entrou no concurso por muita insistência de Niemeyer? Sua esposa havia falecido 3 anos antes em um acidente de carro, onde ele se culpava. Mas influenciado pelo entusiasmo de Niemeyer ele participou.
      Ainda assim, como estamos falando de Urbanismo e não há como planejar uma cidade onde não hajam edifícios públicos e privados, se prestar atenção coloco da seguinte forma: “Brasília está longe da da ideia do crescimento planejado por Niemeyer”. Sim, ele planejou os prédios…e junto com Lucio Costa pensou nas escalas, nos edifícios e em quantas pessoas cada um deles abrigaria. Como é Brasília hoje? Pensada da mesma forma?
      Como corretamente colocaste, deixo aqui o mérito ao planejador do plano piloto de Brasília, Lucio Costa. Mas como acredito na interdisciplinaridade do Planejamento Urbano, considero colocar a frase de Maria Elisa, filha de Lucio Costa, que na época da criação de Brasília era estudante de arquitetura e acompanhou o processo: “Se Brasília fosse um filme, Lucio seria o roteirista e o diretor, e Oscar o indispensável ator principal.”

      Responder
    • CADguru em 04/12/2012:

      Olá Ranilson,

      Muito obrigada pela correção irei passar para o setor responsável.

      Atenciosamente.

      Responder

Comentários (5):